Chuvas serão entre “normal” e “acima do normal” no RN em 2023

Região que terá maior volume de chuva será o Oeste: 197,5 milímetros no mês de março, segundo previsão da Emparn. Foto: Cedida
O Rio Grande do Norte terá chuvas de volume normal ou acima do normal no primeiro trimestre de 2023, segundo análises do Sistema de Monitoramento Hidrometeorológico da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn). A previsão para o Estado é de volumes médios de 60,4 milímetros (mm) em janeiro; 92,9 mm em fevereiro; e 159,7 mm no mês de março. Previsão é baseada na permanência do fenômeno La Niña (esfriamento das águas do oceano Pacífico) associadas ao aquecimento das águas do oceano Atlântico. A Emparn prevê bons resultados para agricultura e recarga de reservatórios.

Para janeiro, a média prevista para o estado é de 67,3 milímetros (mm). Já em fevereiro, primeiro mês da estação chuvosa, o volume de chuvas começa a elevar no interior, com acumulados entre 100 mm e 150 mm nas regiões Oeste e Seridó Potiguar. A média esperada é de 88,4 mm para o Estado, sendo 116,7 mm para o Oeste; 89,3 mm para o Litoral Leste; e 81,8 mm para região Central. No terceiro mês do ano a previsão é de 197,5 mm no Oeste; 155,1 mm no Centro; 119,2 para o Agreste; e 166,9 mm no Leste.

Bristot reforça que 2023 deve apresentar melhores chuvas do que o ano passado. A expectativa é de que as chuvas caiam mais espalhadas pelo Estado, principalmente nas regiões do Seridó e do Agreste. “Nós tivemos uma média em torno de 35%, 40% acima do normal. Esse desvio favorável positivo das chuvas em 2022 favoreceu a atividade da agricultura, a recomposição dos recursos hídricos de forma parcial, não foram todas as regiões que os reservatórios recuperaram o volume”, afirma.

As chuvas de 2022 beneficiaram os reservatórios no Alto Oeste e contribuíram para a recomposição do açude de Pau dos Ferros e da barragem Armando Ribeiro Gonçalves, diz Gilmar Bristot. “No entanto, na região do Seridó os açudes praticamente não tiveram uma movimentação favorável. No agreste nós tivemos numa situação um pouquinho melhor em relação aos últimos anos, mas esse ano nós esperamos que as chuvas tenham uma melhor distribuição e que causem um impacto melhor na questão das reservas hídricas do Seridó e do Agreste”.

Atualmente as barragens acumulam 45,28% de sua capacidade, considerando o volume total, o que deve ser o suficiente para o próximo inverno, segundo projeção do Instituto da Gestão das Águas do RN (Igarn). Esse percentual é referente a 47 reservatórios com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos.

No último Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais divulgado pelo Igarn, na quarta-feira (4), a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do Estado, acumula 1.262.650.818 m³, percentualmente, 53,21% da sua capacidade total, que é de 2.373.066.510 m³. Em 4 de janeiro de 2022, o reservatório estava com 1.068.535.986 m³, correspondentes a 45,03% da sua capacidade total. Na mesma data, o volume total armazenado era de 38,05%, sete pontos percentuais a menos do que o registrado hoje.

As previsões para este ano são feitas em conjunto com Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Os estudos levam em conta o fenômeno La Niña, quando as águas ficam mais frescas que o normal ao longo do da faixa equatorial do Pacífico. Os prognósticos apontam que entre o final de semana e meados da semana que vem já aconteçam pancadas de chuvas “já ocasionados pela zona de convergência intertropical. Seriam as primeiras chuvas ocasionadas pela zona de convergência”, explica Bristot.

“Essas condições de La Niña no Oceano Pacífico, combinadas com o Atlântico Sul mais aquecido que o Atlântico Norte, facilita a movimentação, o deslocamento, da zona de convergência aqui para cima da região nordeste. Nós já estamos observando a formação da zona de convergência um pouquinho abaixo da sua posição normal para época”, complementa o especialista.

Previsão

Oeste
Janeiro – 76,7 mm;
Fevereiro – 116,5 mm;
Março – 197,5 mm;

Central
Janeiro – 59,3 mm;
Fevereiro – 93,2 mm;
Março – 155,1 mm;

Agreste
Janeiro – 45,9 mm;
Fevereiro – 69,6 mm;
Março – 119,2 mm;

Leste
Janeiro – 59,8 mm;
Fevereiro – 92,2 mm;
Março – 166,9 mm.

Fonte: Emparn.

Tribuna do Norte

Postado em 5 de janeiro de 2023